Ruas libertas

 
 
Sinta.se bem a vontade
nessas ruas que percorrem
essa vida que escolhi
mas não traga paradigmas
para o campo minado do meu querer

Comentários

  1. Ruas libertas, serenidade,
    do quarto se abriu a janela
    para nele entrar a claridade
    entra a brisa junto com dela
    para a arejar de felicidade
    percorrendo-lhe o corpo
    satisfaz-lhe a vontade
    momento maravilhoso
    de prazer em liberdade!

    Tenha amiga Li Noronha, um bom fim de semana, um abraço.
    Eduardo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eduardo: querido amigo...que belas palavras...adorei!!
      abraço bem carinhoso a ti nesse Domingo de paz.

      Excluir
  2. Fabulosamente belo
    .
    Deixo cumprimentos
    http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. Obrigada pela carinhosa visita querido amigo Ricardo.Abraços meus

    ResponderExcluir
  4. Entre e sente-se, mas não ponha as patas sobre os sofás!... ;-)
    Desculpa, Lia, é brincadeira.
    Muito belo. Um poema sobre o respeito da identidade e individualidade.
    Sobre o respeito pelo nossa vontade. A nossa liberdade, no fundo.
    xx

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

mesa posta

viagem incomum