menina sem lugar





Não tendo onde viver
a menina guardou-se em trajes refinados
e adormeceu em sonhos que nunca serão seus

Comentários

  1. que lindo, Lia. Pura pureza
    bjão da nena

    PS. tentei agradecer seus comentários no meu blog - não consegui. Mas ADOREI suas visitas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visita..doce Marilena e seu talento e carinho imensos!!!

      Excluir
  2. Boa noite Lia.. todos nós adormecemos, nos transportamos em sonhos que só podem se resolver nos próprios sonhos.. ou seja realmente nunca são nossos.... nós é que somos partes deles.. uma linda noite até sempre
    lapidandoversos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Samuel: que sempre faz um novo poema..qdo visita o meu pura poesia...Grata pelo seu carinho com um abraço grande.

    ResponderExcluir
  4. Olá Lia!
    É um prazer conhecer os teus blogs. Gostei muita da tua forma de escrever, e indecisa entre seguir Contos ou Pura Poesia, decidi pela Poesia, embora de acordo com o meu tempo que é muito pouco, por isso só posto uma vez por semana, sei que farei ocasionalmente uma visita aos outros, porque gosto de música, e gosto de pintura.
    Quanto a este poema; é realmente pura poesia.
    Parece que todas as meninas guardam sonhos dentro de si, sonhos que continuarão bem vivos na idade adulta. E mesmo que os sonhos não sejam nossos que vivam em nós para sempre já que sonhos não podem ser pertença de ninguém. Não convém é adormecer muito sobre eles, para que ao menos vivamos com a ilusão da sua concretização.
    Foi assim que li o teu bonito poema.
    Um abraço.
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela pronta resposta...e pelo carinho da visita ao meu espaço de poesia.
      bjins carinhosos a ti...Laura.

      Excluir
  5. altíssima sensibilidade...

    abraço carinhoso
    ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Domingos; fiquei em ver-te por aqui..obrigada pelo carinho.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

mesa posta

viagem incomum